o fio de ariadne

O fio condutor desta viagem pelos meandros do labirinto é-nos dado pelo estudo interdisciplinar.

Como diz Paolo Santarcangeli (Il libro dei labirinti...), «... para falar do labirinto com um total conhecimento de todos os aspectos que pode assumir, o estudioso que se aventure na matéria necessitaria ser etnólogo, arqueólogo e historiador das religiões, ser versado em estudos da pré-história e também de todas as etapas da evolução dos costumes europeus, estar familiarizado com a "psicologia das profundidades" e com a psicotécnica, ser arquitecto e jardineiro e muitas outras coisas mais; mas, acima de tudo, importaria ser poeta».

A utilização do labirinto é variada: desde o fruir lúdico da pequenada (e também dos mais grandinhos) até à utilização no campo da terapêutica, o seu simbolismo possui algo que nos leva ao «centro»...

Caminho para o interior de si mesmo, o labirinto é (pode ser) um utensílio de utilização pessoal para atingir o âmago de cada um...